Whatsapp

Viva Melhor


   




Professor é agredido e ameaçado em Colégio Militar de Manaus



Data: 28/08/2019

O professor de Língua Portuguesa, Anderson Pimenta, foi agredido com um tapa no rosto pelo tenente-coronel da Polícia Militar, Cézar Andrade, no último dia 27, dentro do Colégio Militar da Polícia Militar (CMPM1). Além de relatar agressão, o professor disse ter sido ameaçado.

Segundo Anderson Pimenta, a postura truculenta ocorreu após o professor ter se recusado a falar com o diretor sem a presença de um advogado. Conforme o docente, os dois têm um histórico de desavenças devido sua discordância sobre alguns métodos pedagógicos e administrativos utilizados na escola.

“Quando me recusei a comparecer na sala dele sem um advogado, ele veio até a sala dos professores pedindo para que eu assinasse um livro com três ocorrências, o que eu neguei. Ele então me pediu para que eu saísse da escola e, ao chegarmos na área externa da escola, ele tentou me levar até o carro dele, dizendo que iríamos até a coordenadoria distrital. Quando me neguei a ir e falei que iria ligar para o meu advogado, ele me deu um tapa no rosto, que fez meu óculos cair, alguns alunos e pessoas presenciaram”, relatou.

Logo após a agressão, o professor contou sobre as ameaças com uma arma. “Chegando à guarita, ele tirou a arma dele do coldre e apontou para a minha cara dizendo para que eu sumisse da escola e me esquecer da existência do CMPM. Ele ainda chegou a dizer caso você não saia, tu vai ver o que vai acontecer contigo", disse o professor que logo em seguida registrou um boletim de ocorrência (B.O).


O Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Sinteam) publicou uma nota de repúdio sobre o acontecido.

Leia a nota na íntegra:

"Mais um professor agredido dentro do seu ambiente de trabalho. Mais um porque as denúncias de assédio moral acontecem diariamente. Nas escolas administradas pela Polícia Militar elas acontecem de forma mais incisiva. Muitos colegas se calam porque o assédio moral é difícil de provar. Mas o caso de hoje tem, além de testemunhas, provas físicas.

O professor Anderson Pimenta foi agredido e ameaçado de transferência com uma arma apontada para seu rosto porque se recusou a fazer o que o tenente-coronel Cézar Andrade “mandava”. É lamentável que o diálogo tenha sido deixado de lado. É lamentável que professores passem por isso".

Em nota, a Secretaria de Educação (Seduc) e o Comando da Polícia Militar (PMAM) informaram que foram notificados pela Coordenadoria Distrital de Educação 2 sobre i fato entre os dois servidores e que estão apurando o ocorrido para tomar as devidas providências, respeitando o direito ao contraditório e ampla defesa de ambos os servidores.


Foto: Winnetou Almeida

Fonte: ADUA-SSind.


Galeria de Fotos
 




energia solar manaus

Manaus/Amazonas

energia verde

CENTRAL DE ATENDIMENTO:


aduasindicato@gmail.com

ADUA DIGITAL