Whatsapp

Viva Melhor


   


  00/00/0000 - por



Deu chabu no Enem



Assim que o professor Fernando Haddad – ministro da Educação – no final de março deste ano, anunciou proposta de unificar o vestibular das universidades federais, criando novo Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), apresentei-me contrário à idéia. Nesse sentido, publiquei nove artigos neste espaço entre 15/04 e 03/06.

Em “Novo vestibular, novos problemas” (28/04), no 4º parágrafo, afirmei: “...na elaboração de provas unificadas poderão se perder controle e rigor dos pares – entre si – que há nas atuais comissões elaboradoras das provas (das federais). Denúncias contra essas comissões são raras. Hoje, muitos concursos públicos já estão desacreditados no país. O vestibular poderá ter o mesmo fim. Políticos poderão intervir – sim – a favor de parentes. Como controlar isso? Como acreditar na honestidade nacionalizada? Tento. Não consigo”. Em maio, em reunião com o MEC, reitores também demonstraram preocupação semelhante. À época, foram tranquilizados. Agora, deu chabu!

A prova vazou. Pergunto: algum espanto? Não. O Brasil chafurda na corrupção. Nada mais garante lisura em quase nenhum processo seletivo nacionalizado. O novo ENEM, agora valendo vaga para as federais, sempre será porta aberta a fraudes. Pior: nem sempre haverá uma repórter no meio do caminho de mercenários, “amadores” ou não. Como já disse outrora, esse formato de exame visa a contemplar a elite. A meu ver, foi o maior golpe político, travestido de acadêmico/democrático, que se deu depois de 64. Assepticamente, após massacrar a autonomia das universidades, o autoritário governo federal, através do MEC, acertou no cérebro da nação.

Como tantos tentaram – em vão – dialogar com o MEC, pedindo mais tempo para estudar a proposta, como cidadão e funcionário público, questiono sobre a responsabilidade direta do ministro da Educação por eventuais gastos extras (cerca de 35 milhões) para a impressão de novas provas. Digo mais: a teatralização da segurança de cada etapa que envolve o processo no INEP, mostrada pela Rede Globo, a mudança de consórcio e recrutamento de aparato policial não me comovem e não me convencem.

Por falar em novas provas, depois da casa arrombada, o MEC disponibilizou cópia das duas provas canceladas. As do segundo dia continham três partes: a) redação; b) prova de “Linguagens, Códigos e suas Tecnologias”; c) prova de “Matemática e suas Tecnologias”. Valha-me!!! Nunca vi gostar tanto de “tecnologias”!

Breves comentários. Começo pela redação. Com base em dois artigos do Estatuto do Idoso, do enunciado da proposta destaco: 1º) a seguinte redundância: “...redija texto dissertativo-argumentativo em norma culta escrita da língua portuguesa...”. Redigir já pressupõe escrever; 2º) uso inadequado, conforme a própria norma culta, de letras maiúsculas em: “...Selecione, Organize e Relacione, de forma coerente e coesa, Argumentos e Fatos para defesa de seu ponto de vista”. Essas maiúsculas são injustificáveis. Para quaisquer destaques já há convenções: o negrito, o itálico, o sublinhado. Como está, desrespeita a inteligência do candidato e complica ainda mais o ensinamento também desse tópico da língua padrão, já bastante mordida.

Sobre o tempo. Mesmo com algum preparo, gastei uma hora e meia para ler e responder as 45 enfadonhas questões de “Linguagens...”. No geral, as perguntas são ridículas, redundantes na intenção central, algumas dúbias, e outras explicitamente ideológicas. Ex.: n. 3 (sobre o imposto de renda) e n. 30 (campanha do Ministério da Saúde contra o tabagismo). Mas para chegar às perguntas, há uma avalanche de textos que as antecedem. Conclusão: o tempo é insuficiente para redigir uma boa redação e dar conta também de mais 45 questões de “Matemática...”. A título de lembrança: há pouco, em muitos vestibulares, a redação não disputava tempo com outras provas. Escrever pressupõe reflexão. Pensar demanda tempo. Por isso, convido todas as autoridades que, às pressas, aprovaram essa aberração, a fazer as tais provas à frente de câmeras de TV, como num “reality show”. Aposto: paredão pra todos. Que tal? O desafio está no ar.

* Roberto Boaventura da Silva Sá é jornalista e professor de Literatura da UFMT



Galeria de Fotos
 




energia solar manaus

Manaus/Amazonas

energia verde

CENTRAL DE ATENDIMENTO:


aduasindicato@gmail.com

ADUA DIGITAL